14.03.2019

Mercúrio exilado retrógrada em direção ao coração do Sol.      

Momento de conquistas mercuriais marcado pela presença da alfa de Pégaso (Markab), fonte de elevação e conquistas, o cavalo alado oferece sua sela mas não se deixa cavalgar.

“…não sou eu quem me navega quem me navega é o mar.”

Peixes, signo do encontro entre Mercúrio e o Sol, como símbolo dos pés, sugere a hora da descida, para que a partir de agora o caminhar seja pelos próprios pés.

Sobre Pégaso

Filho de Medusa e Poseidon, ou da própria terra, fecundada pelo sangue da Górgona.

Quando a vaidade inflou o monte Hélicon, ameaçando atingir o Olimpo, bateu seus cascos na terra abrindo-lhe uma fenda, de modo que o monte voltasse ao tamanho que lhe cabia, guardando seus limites.

Da fenda aberta por seus cascos verteram as águas de Hipocrene, fonte consagrada às Musas, que cantando eram capazes de falar com Deus. Daí a lenda que aquele que bebesse da água de Hipocrene poderia, assim como ela, se comunicar com o divino.

Outra parte importante do mito de Pégaso fiz respeito a Belerofonte, herói que, montado em Pégaso, derrotou Quimera, conquistando assim, com o respaldo divino, honra e glória em sua primeira vitória. Mas seu orgulho fez com que sonhasse alto demais, o desejo de que Pégaso o levasse ao Olimpo (húbris), fez com que caísse, fulminado por Zeus.

Sobre Cazimi

O cazimi, termo astrológico para essa estreita relação com o Sol, é associado ao poder, a honra e a todos os favores passíveis de concessão pelo Rei. Favores esses, determinados pela natureza daquele planeta, seja ele qual for, que alcance seu coração.

Poeticamente o cazimi é uma prova de amor.

⍝⋇ No céu – No fim da noite, com a Lua já transitando o signo de Câncer, Mercúrio, exilado e retrógrado, em cazimi com o Sol em Peixes – conjuntos a Markab, alfa de Pégaso.