Artigo publicado na Revista Cinco+ – 2017 O que está em cima é como o que está em baixo

A astrologia é muito mais profunda e complexa do que os almanaques publicados anualmente fazem parecer. As frases feitas dos horóscopos diários, mensais ou anuais não alcançam o todo da intrincada trama dos astros.
Desde o reinado babilônico de Nabucodonosor (604 a.c 561 a.c) – e não falo aqui de sua origem que remonta 4000 a.c – a astrologia era conhecimento fundamental, todos os grandes filósofos, médicos e até religiosos eram também astrólogos. Astronomia e astrologia se fundiam numa mesma coisa. A observação do movimento dos astros era também a observação de sua influência no clima, na terra e no homem.
Hipócrates, Paracelso, Platão, Sócrates, São Tomás de Aquino, Kepler e Pitágoras são alguns dos nomes que de alguma forma se utilizaram da astrologia para suas descobertas e legados.
O mapa natal é o desenho, a foto do céu no exato momento em que a pessoa nasceu. Utilizando a metáfora musical da Harmonia das Esferas, teoria de Pitágoras, que faz um paralelo entre a estrutura musical, as distâncias entre as notas e as distâncias ou aspectos planetários, pode-se dizer que nessa imagem há uma obra única. Como um concerto a ser escrito, mas que já determina em qual estilo deverá ser musicalizado: ópera ou oratório, mazurca ou noturno, valsa ou espagniol. Mas não se engane, o noturno poderá ser escrito entre aleggro e andante, adagio e presto. A composição é do caminhante.
Apenas o conjunto da obra é fiel a história. Por isso quando os horóscopos de jornal ou revista, tentam fazer concerto com apenas um, dos sete planetas, sem nem sequer saber em qual parte do seu concerto ele atua, dá aquela impressão de ouvir uma música sem alma.
O mapa natal é mais que o signo solar, conhecido como nosso signo. A astrologia é a interpretação do conjunto simbólico formado pelas casas, signos, planetas, estrelas fixas, Lotes Árabes e seus aspectos.
As casas representam assuntos específicos da vida como casamento, filhos e trabalho, sendo que cada uma delas está sob um dos 12 signos. Os planetas ficam dispostos nessas casas. E a regência dos planetas nos signos fecha o entrelaçamento entre casas, signos e planetas. Saturno é o regente de Aquário e Capricórnio, Júpiter de Sagitário e Peixes. Marte de Áries e Escorpião, o Sol de Leão, Vênus Libra e Touro, Mercúrio Gêmeos e Virgem e a Lua de Câncer. Assim, cada casa está sob o comando de um planeta.
A localização dos planetas nas casas nem sempre coincide com a regência. E o planeta terá influência ou testemunho tanto nos assuntos das casas que rege, como nos assuntos da casa onde se encontra.

mapa astral vinícius de moraes.jpg

VINICIUS DE MORAES
5:10:34 AM  LMT +02:52:57
Rio de Janeiro Brasil
43w14’00 / 22s54’00
Geocêntrica / Tropical / Whole Signs/ Nodo médio
CLASSIFICAÇÃO SISTEMA RODING
Classificação: AA 
Fonte: Acervo da Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro.

No mapa de Vinicius de Morais o Sol está na Casa I mas é regente da XI, que está no signo de Leão. Ou seja, o Sol testemunhará sobre os assuntos das duas casas.
A Casa I será sempre o Ascendente do mapa natal.
O Ascendente tem o nativo, o dono do mapa, como assunto e a Casa XI tem como assuntos os amigos, associações, os projetos futuros e as aquisições vindas de outros. O Sol empresta suas qualidades, e as vezes seus defeitos, para esses assuntos. Dentre os atributos do Sol estão: a vontade, a grandeza, a criatividade, a individualidade, a autoconfiança e a nobreza. Ele é também um dos indicadores de fama em um mapa.
Veja, Vinicius teve sua carreira musical marcada por parcerias de sucesso: Tom Jobim, Carlos Lyra, Edu Lobo, Chico Buarque, Baden Powell e Toquinho. Além disso Vinicius jamais viveu sozinho, estava sempre rodeado de amigos.
Importante dizer que cada mapa é um mapa e precisa ser referenciado no contexto da vida do nativo. Assim, alguém que possua essa mesma configuração poderá ser amigo de pessoas em cargos importantes dentro de uma empresa e podendo receber algum tipo favorecimento dessa amizade. O certo é que estará cercado de amigos tão importantes quanto possam ser dentro de seu ciclo.
Essa é uma análise bem simples, não pretendo aqui esgotar a interpretação desses elementos, meu único intuito é exemplificar a mecânica celeste.
No próximo encontro falarei do Ascendente, ponto vital na interpretação do mapa natal.

(1)  Frase atribuída a Hermes Trimesgisto 1330 a.c