Artigo publicado na Revista Cinco+ – 2017 O Sol – A vontade na qual se navega

 

Após abordar o Ascendente e seu regente – timão e capitão da embarcação – são a direção do navegar, a Lua – senhora do movimento e do ritmo, sereia que encanta embarcações com seus lamentos – é a memória e a fome do mar, é a vez do Sol – o doador da vida, combustível da embarcação.
O Sol é o Rei da vontade, a honra que a embarcação reconhece como a glória conquistada na vida.
Os testemunhos naturais ao Sol são aqueles do pai, da fama e da honra, da força criativa, da sabedoria oracular e do intelecto, da soberba e do orgulho, do comando e do poder.
A vontade tem essa mania de se vestir de Rei, e muitas vezes se acostuma à fantasia que ilusoriamente lhe confere o comando do que está mais além de seu reinado.
Não é à toa que o Lote do Espírito, ligado àquilo pelo que se quer ser reconhecido na vida, é ligado ao Sol e o Lote da Fortuna, ligado as oportunidades que a vida dá e que independem de qualquer esforço, é ligado a Lua.(1)
A interpretação do Sol natal, assim como a da Lua, grosso modo, dependerá da casa em que se encontra e das condições de seu dispositor – planeta que rege o signo da casa em que está.
Para o Sol em Escorpião, aprofundar a existência é imperar na vida. Conhecer o mistério das coisas é o que lhe faz Rei. O poder é voltar de onde ninguém vai. A nobreza e a honra estão na lida com o efêmero. Das particularidades do humano, do que diferencia e iguala a todos, constrói seu reinado.
Mas como disse anteriormente, nem sempre o mapa promete a honra que a vontade almeja. Poéticas à parte, o Sol pode brilhar no avesso das vontades.
Por exemplo, se o Sol em Escorpião estiver na Casa V – a casa dos filhos, mas também a dos prazeres – o Rei é o prazer ou a capacidade de dar a vida, seja em carne ou através dos ossos do ofício da criatividade. A vontade é de viver, hedonismo que se realizará pelas mãos de Marte, já que o Guerreiro é o dispositor do Sol, regente de Escorpião.
Marte testemunhará sobre as vitórias e as feridas abertas na busca da vontade. Escorpião é um signo de água, frio e úmido, o que significa dizer que sua capacidade de aprofundar e descer até o porão das coisas não tem limites. Seu comando confere agressividade nos meios utilizados para chegar à vontade, irá até o fim, é matar ou morrer. A casa ocupada pelo dispositor do Sol dará testemunho sobre o terreno em que a agressividade toma forma na luta para satisfação da vontade.
Marte na Casa XII – que fala das prisões, medos, enfermidades, auto sabotagem e inimigos secretos – o prazer, objeto da vontade, será como a prisão em que ele mesmo se coloca.
Do regente da casa XII, em Gêmeos, virá o testemunho das feridas causadas pela ação da vontade. Na ânsia de satisfazer a vontade de viver o prazer até o fim, Marte que – por sua condição terrestre(2) – aprisiona o nativo, vai ferir os assuntos da casa ocupada por Mercúrio, o regente de Gêmeos. Se o Mensageiro dos Deuses estivesse na casa IV seria no âmbito familiar que a lâmina de Marte abriria feridas.
Utilizei esse exemplo, em que a vontade não é algo que traz benefício ao nativo, para ressaltar que a vontade está além do bem e do mal. E insisto: querer não é poder! A realização da vontade depende de recursos que fogem ao controle. Existe um Lote, O Lote Base, que é calculado pela soma do Ascendente com a diferença da posição da Fortuna e do Espírito e que aponta a forma que o nativo equilibra a vontade e a força da correnteza. Há os que morrem de exaustão remando contra a maré, os que largam os remos por qualquer marola e os afortunados pela humildade de se saberem humanos.

Veja o mapa de John F. Kennedy:

J.F. Kennedy mapa natal.jpg

Fonte: Astrodatabank /  Rodden Rating A                                                                                                                                                                                                                                                              

 

 O Sol está em Gêmeos – no trânsito pela diversidade das relações constrói seu império. Ascende pelo poder da articulação. A nobreza e a honra de seu discurso – o que lhe confere a coroa – são as vestes de sua astúcia.
Gêmeos é um signo de ar, quente e úmido, assim como Libra. Mas enquanto Libra é o mais úmido dos signos do elemento ar, que também inclui Aquário, Gêmeos é o de menor umidade. Na prática isso significa que o Sol em Gêmeos sabe negociar suas vontades, característica que se perde na prevalência da umidade libriana, que cede sua vontade ao outro. Não é à toa que o Sol tem sua queda(3) em Libra.
O Sol de John F. Kennedy está na Casa IX, a casa das leis e da ética. A vontade é ser lembrado por suas ações em favor da ética e da justiça promovida em seu reinado. A disposição do Sol por Mercúrio testemunha a realização da vontade através contratos e de negociações com o poder da lei.
Mercúrio, o dispositor do Sol, está na casa VIII: segredos, angústias, crimes, morte. A conjunção com Marte testemunha ferimentos decorrentes da negociação com a justiça, meio pelo qual realiza sua vontade. Marte ferindo a partir da casa VIII é um forte testemunho de violência contra o nativo. Mercúrio também fará conjunção com Júpiter e aqui o testemunho é que a negociação feita para satisfazer a vontade envolve segredos de figuras eminentes.

 

 

(1) Os Lotes Árabes são significadores que fornecem informações complementares sobre pontos específicos no mapa. São calculados a partir da posição dos planetas e do Ascendente.                                                                                                                                        (2)  Nesse caso a condição terrestre refere-se a casa que o planeta ocupa.                              (3)  Os planetas possuem dignidades e debilidades essenciais. Os signos que regem, seus domicílios, dão a eles dignidade. Nos signos opostos aos de domicilio o planeta tem seu exilio, uma debilidade essencial. A exaltação também é uma dignidade por localização do planeta em determinado signo, e a queda é a debilidade conferida ao planeta quando no signo oposto ao da exaltação. A exaltação e a queda se definem pelo exagero ou decepção da natureza do planeta.